O inverno chegou e veio em todo seu esplendor, não é? Que tal aproveitar esse friozinho ( puro eufemismo, claro) e reunir os amigos, juntar uns cobertores e preparar uns caldinhos para se aquecer e jogar um pouco de conversa fora?

Estamos vivendo em um tempo de muita informação, correrias sem fim, relacionamentos líquidos e virtuais, mas muito pouca interação verdadeira. É claro que o dia a dia acaba nos levando a escolhas cada vez mais práticas e rápidas, mas que tal tirar um tempinho para resgatar as relações ao redor da mesa e levar de brinde mais saúde física e mental?

Minha proposta? Invista nas sopas, caldos ou cremes (os nomes são apenas variações gastronômicas para as texturas, ok?); eles aquecem, dão uma sensação de conforto e, com os ingredientes certos, ainda podem proporcionar uma melhoria no sistema imunológico, reduzindo a incidência de doenças associadas ao inverno. Ah! E se você convidar os amigos para dividir essa experiência, ainda tem o conforto emocional, a alegria da partilha…que também ajuda a prevenir muitas doenças. ”Pessoas felizes são mais saudáveis”!

Sem ideias do que fazer? Abuse das especiarias! Cardamomo, gengibre, anis estrelado, canela, páprica, açafrão… Todas têm propriedades anti-inflamatórias e são termogênicas, o que vai ajudar a te aquecer…

Não conhece algumas delas? Vá a uma casa de produtos naturais ou na sessão de temperos do supermercado e se divirta. Experimente, ouse, saia da caixinha!

Sabores são muitos! Mandioquinha com açafrão, abóbora com gengibre, beterraba com cenoura e cardamomo, feijão com páprica…e mais um monte de combinações a sua escolha. Todos deliciosos, quentinhos e, com as companhias certas, uma experiência única e renovadora.

E aí? Que tal tentar esse encontro no aconchego de casa? Eu garanto que é demais!

Adriana Rebouças – Bela Urbana, formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos. Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante EnRaizAr que fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

 

Arquitetura + decor + moda = comportamento < ou > ao estado de espírito.

Chego a conclusão de que realmente a matemática faz o mundo girar. Gire no seu  mundo!

Use e habite nesse universo matemático carregado de poesia e emoção!

Some, subtraia, divida e multiplique sua vida com arquitetura e a a moda!

Katia El Badouy -Bela Urbana, formada em arquitetura e urbanista na Pucc. MBA em gestão de negócios. Atua na área de arquitetura, urbanismo, decoração e utiliza a moda como referência para os seus projetos.

O último boletim de Ministério da Saúde, publicado no dia 31 de março, confirmou 574 casos de febre amarela no Brasil (Rede de notícias).

O número de casos vem aumentando a cada dia. E o que tem sido feito para que essa situação não se agrave ainda mais?

Sem contar no grande número de animais (primatas) que estão morrendo nas matas brasileiras.  E, o que exatamente o Ministério de meio ambiente está fazendo para evitar que ocorra um “desastre ecológico”?

A cena parece se repetir há menos de um ano, com a Dengue, Zika e Chikungunya, onde inúmeros casos foram relatados em várias cidades brasileiras.

Importante entender as diferenças: Febre amarela silvestre x Urbana

Na verdade a doença é a mesma. O vírus que causa a febre amarela urbana ou a silvestre é exatamente o mesmo. Os sintomas, os sinais, e a evolução da doença no pacientes são exatamente iguais. A diferença entre uma e a outra está apenas nos mosquitos transmissores e na forma de contagio.

Ou seja, a febre amarela silvestre é transmitida por dois gêneros de mosquitos (Haemagogus e o Sabethes) que vivem nas matas e na beira dos rios. Enquanto a febre amarela urbana pode ser transmitida por um mosquito urbano, o Aedes aegypti. No entanto, a transmissão da doença nas zonas urbanas pelo Aedes só sai ocorrer na seguinte situação: Os mosquitos silvestres (Haemagogus e Sabethes) picam macacos contaminados e depois picam a pessoa transmitindo o vírus, deixando-a doente. Quando a mosquito urbano Aedes aegypti, pica essa pessoa doente e depois pica outra pessoa susceptível, acaba transmitindo o vírus e consequentemente a doença.

Como ocorre e que podemos fazer para evitar disseminação?

Por isso é importante que todas as pessoas em regiões de ocorrência de febre amarela silvestre sejam vacinadas, para evitar que o vírus se espalhe. Pois se uma pessoa contaminada vier para uma região urbana, na presença do mosquito Aedes, pode-se reiniciar o ciclo urbano da febre amarela.

E, lembrando que, esse mesmo mosquito urbano (Aedes aegypti) ainda transmite outras três doenças de grande importância para a saúde pública, a Dengue, a Zika e a Chikungunya.

As campanhas para o combate aos mosquitos devem ser intensivas e contínuas, utilizando-se diversos meios de comunicação, para poder atingir o maior número de público possível.

Muito mais que a campanha de conscientização da população para evitar a criação do mosquito, é importante que se faça programas “Efetivos de controle” por parte de prefeituras e órgãos Federais.

Hoje temos disponível no mercado um número considerável de marcas de produtos para o controle de mosquitos. Esses produtos incluem tanto produtos químicos como produtos biológicos. A maior parte dos inseticidas é oriunda do composto químico Piretróide.

Ao passo que, os inseticidas biológicos, também conhecidos como larvicidas biológicos, são a base de um microrganismo existente na natureza, o Bacillus thuringiensis var. israelenses (Bti). Esse microrganismo já é utilizado em diversos países no combate à proliferação de mosquitos.

Além disso, o Bti não é tóxico ao homem a ao ambiente, podendo ser utilizado com maior segurança.

A VectorControl produz duas marcas de larvicidas biológicos, THEBAS ® e THURIMAX. Ambas já disponíveis no mercado com alta eficiência no controle de larvas de mosquitos (Aedes spp, Culex spp, e Simulium spp), mas só podem ser aplicadas por empresas e órgão públicos. Estamos trabalhando no desenvolvimento do produto para ser aplicado pelos próprios consumidores em suas moradias.

A melhor forma do combate ao mosquito é a conscientização.

Eliane Gonçalves da Silva – Bela Urbana, graduada em Agronomia pela Universidade Federal de Pelotas (2001), mestrado pela mesma Universidade e doutorado em Agronomia (Fitopatologia) pela Universidade de São Paulo (2008). Participou de projetos de pesquisa no Departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB II /USP), no programa de Pósdoutorado, com bolsa de Desenvolvimento Tecnológico (Cnpq), até 2016. Desde 2012 trabalha na Empresa VectorControl, atuando em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, controle de qualidade de processos biotecnológicos e assuntos regulatórios.  Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em microbiologia e biotecnologia, atuando principalmente nos seguintes temas: bacteriologia, biologia molecular, biocontrole e bioinseticidas.

 

 

shutterstock_331499036

Crise tem o lado bom. Estimula a criatividade. Na crise somos obrigados a sair do lugar confortável e achar novos caminhos e saídas para as dificuldades.

Essa crise financeira de 2016 atingiu muitas pessoas e empresas. Tenho conversado com pessoas que estão enfrentando esse novo cenário econômico, pessoas que perderam seus empregos, pessoas que tiveram que renegociar seu modelo de trabalho, pessoas que estão partindo para outras áreas, pessoas usando suas reservas etc. A crise existe, mas as contas não param.

Eu mesma estou me reinventando nesse cenário e outro dia em uma dessas conversas com uma amiga, recebi a proposta de atuar como sua consultora financeira pessoal, pois me disse que está muito preocupada com suas reservas e com suas contas que nunca fecham. Detalhe, é uma pessoa muito competente em sua profissão e que tem um bom salário.

No primeiro momento fiquei com um certo receio, afinal sou publicitária. Como gosto de um desafio e tenho meu próprio negócio, há 24 anos, aceitei o convite, afinal, sempre cuidei também da parte administrativa das agências Modo e 3bis e sempre tive empresas saudáveis financeiramente.

Já fizemos alguns encontros para eu entender o cenário que ela se encontra. Coloquei alguns questionamentos que prontamente ela não soube me responder. Confesso que fiquei um pouco assustada com a falta de conhecimento da sua própria vida financeira, pois são questões tão básicas e simples que o correto é que todos saibam, mas ela não sabia, como imagino que muitas pessoas não saibam. Meu papel agora é ajudar, orientar, ensinar, se ela não tivesse essas dificuldades eu não estaria aqui prestando esse serviço.

Então, nessa crise, estou usando esse meu conhecimento que sempre utilizei somente para meu benefício para ajudar outra pessoa e vejo que existe uma oportunidade disso ser algo que eu possa também vender como serviço.

Bom, combinamos que vamos relatando os sentimentos, os passos dados, a visão dela e a minha. Ela preferiu não se expor e eu concordo com ela, mas no meu caso, posso me mostrar.

Vou escrever uma vez por semana sobre esse projeto. Adorei o desafio, espero que gostem também e que tirem lições, pois eu tenho certeza que tirarei novas. Vamos em frente.

12308453_10205306926782378_7964104893761853478_n foto Dri para perfil

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e 3bis Promoções e Eventos www.3bis.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

 

 

 

escalada

Como é difícil administrar o orçamento! Principalmente em tempos de crise.

Nossa não foi uma, nem duas, mas várias vezes que tentei organizar as minhas despesas e meus ganhos de modo que fossem administrados eficientemente, com reserva financeira.

Me divirto só de pensar em como algo tão simples, é atropelado pelo cotidiano que me apresenta imprevistos que não constavam no planejamento inicial.

A vida é dinâmica, algumas coisas são para hoje, outras para ontem e daí eu pergunto, como dar gerenciar a vida de forma tão previsível?

Ai que chato viver assim!

Por outro lado, a sensação de descontrole é inadmissível, afinal, contar com a aposentadoria hoje em dia seria uma loucura. E vou parar por aqui, para não entrar em pânico, afinal, o cenário social e econômico atual pode desestruturar qualquer cidadão com um pouquinho de bom senso.

Pensando nesse cenário, todo ano faço questão de iniciar com um belo planejamento. Começo bem organizada, faço planilhas, adoro um excel, o que ajuda bastante. Faço lista dos gastos previstos, procuro deixar reserva para gastos que não são fixos, até me arrisco a listar desejos.

Nota 1 – eu tento!

Ah, como é difícil manter o controle. Motivação inicial eu tenho, faço a tal planilha, olho para o cenário, organizo gastos, mas controla-lo é algo bem diferente. Exige hábito, cultura, empenho e eu, cansada de tanto controle, desisto dessa brincadeira que sempre me parece injusta.

Nota 2 – desisto.

Foi pensando em tudo isso que decidi pedir ajuda! Desta vez, a ajuda foi profissional, contratei uma assessora financeira.

Serão cinco meses! De agosto a dezembro! Será que dessa vez vai dar certo?

Será que conseguirei enfim, ter uma reserva financeira para não ficar tão vulnerável a um sistema econômico? Será possível ter controle financeiro sem necessariamente ter uma vida sem graça e privada de diversão, encontro com amigos, almoços em famílias, atividades de cultura?

Está posto o desafio…

2014-02-06-13-12-53

Mirela N. – Bela Urbana, faixa dos 30 e tantos anos, que está em busca do equilíbrio financeiro, principalmente agora que está com medo de só poder se aposentar com 65 anos. 

13681902_589536417885669_1134474613_o foto comida Dri Rebouças

Na vida, na arte, nos relacionamos e até na cozinha mudar é preciso. Mas falar é fácil, né? Difícil é fazer…

Existe em nós um paradoxo: ao mesmo tempo em que ansiamos pelo novo (a tal mudança), nos agarramos com unhas e dentes ao conhecido. O conhecido é nosso lugar de conforto, onde mesmo com sofrimento e desconforto, sabemos (ou achamos) os resultados. O novo…ah, o novo traz milhões de possibilidades, mas nem sempre a que esperamos… Difícil, não? NÃO! Nem tanto. Precisamos apenas desconstruir nossas percepções e começar a encarar a vida e tudo que ela nos oferece como oportunidades… de crescer, de aprender, de transformar… as vezes dói, mas sempre é enriquecedor ao final.

Mas o que isso te a ver com gastronomia? Afinal, essa parte do blog fala sobre isso, né?

Eu aprendi, dentro da minha cozinha, que mesmo que a gente ache que está no controle, algo sempre pode “dar errado”… e isso foi no meio de uma aula de gastronomia que eu estava ministrando.

Receita testada, todos os ingredientes certos e… a lentilha cozinhou demais! Deu errado, vocês poderiam pensar… mas, não! Foi ótimo! Me deu a chance de mostrar que tudo tem jeito se você estiver preparada e mantiver o foco. E fizemos o melhor hambúrguer de lentilha até então preparado!

Então, quando você estiver com pena de si mesma e pensando o que deu errado. Imagine que nada! O errado é só a vida te levando para um lugar melhor e testando o quanto você está preparada.

11153459_418305808342065_1335618606_o - foto Adriana Rebouças

Adriana Rebouças – Bela Urbana, formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos. Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante EnRaizAr que fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

11872777_10203234841991251_1681683102_n foto katia

Quem nunca disse : “Com que roupa eu vou?”… que atire a primeira pedra….

Por isso abra seu guarda roupa e olhe para ela! Sua melhor escolha! Estará com você em situações diversas. Pode ser em momentos decisivos, importantes, apaixonantes, relaxantes, descontraídos, elegantes ou simplesmente estará com você, mesmo em um tamanho maior que o seu, até mesmo para dormir.

Concordo, certamente o melhor amigo da mulher é o sapato. Mas, não podemos deixar de lado, aquela que estará reluzente , imprescindível na composição de roupa mais inusitada que houver. Sim, ela sempre está disposta a deixar você em destaque, sutil ,nunca passará desapercebida. Ela não competirá com nada, ela é generosa, não precisa ser brilhante ou colorida para chamar a atenção. Ela deixará você ser a protagonista, porque a direção quem dá é ela.

Acredite ela sempre será sua aliada, não a deixe trancada, porque ela abrirá portas para você!! A camisa branca. Na dúvida, sempre!

11874083_10203234843671293_1447839824_n Katia foto 2

Katia El Badouy -Formada em arquitetura e urbanista na Pucc. MBA em gestão de negócios. Atua na área de arquitetura , urbanismo, decoração e utiliza a moda como referência para os seus projetos.