Esta tudo errado, não há nada bem
Como poderia ser, sendo você este alguém?

Me pergunte logo o que está em você
Me desafie, venha me dizer

Seu idiota, sabe nem que é insano
O estúpido, pobre, pensa que é humano

Háháháháháháha

Risos soltos por aquele que não vê
VOCÊ!

Olhe em volte e talvez consiga perceber

Não enxerga aquilo que não te mostram?
Não escuta o reverberar daqueles que choram?

Eles choram por você

Não por sofrer, mas por pena
E você ainda ai, sem entender o motivo dessa cena

Ignorante, pobre e idiota
Olhe em volta!

Eles não te ignoram, e muito menos eu
Mas continuas ai sem saber o que sou perdeu

Nunca soube, nunca viu
Idiota desalmado, servo varonil

Procure em sua mente e um dia talvez ainda vá a ver
O diabo e a inocência
Aquilo que não consegue mais saber

Igor Mota – Belo Urbano, um garoto nascido em 1995, aluno de Filosofia na Puc Campinas do segundo ano. Jovem de corpo, mas velho na alma, gasta grande parte de seu tempo mais lendo do que qualquer outra coisa. Do signo de Gêmeos e ascendente em Aquário, uma péssima combinação (se é que isso importa).

Baby eu sei que você está bravo comigo

Brabo, bravo não importa

Baby me perdoe

Mas não da pra ser assim

Eu gosto de você, mas é desse jeito Baby

Você sabe que ando ilegal por aí

Desta vez não da para ser com você

e não me venha com essa que eu te quebrei

Bobagem essas frases feitas

Baby, eu sou assim me perdoe

Podemos continuar amigos

Você vai me ler

E eu vou te ver

Mas desta vez não vou te levar

Eu preciso ir

e rir

Baby a gente se vê por aí

Baby não chore

Baby eu gosto de você

Só que é desse jeito

Sem documento

Sem compromisso

Baby não me espere

Baby não fique assim

Baby não chore por mim

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

 

 

 

Você quem, talvez se pergunte. Não importa. Não é essa a pergunta. O que importa a pessoa? Não importa quem é você. Nunca importou e não será agora que deveria importar. O que importa não é a pessoa, mas a própria procura em si. A busca. É na busca que se aprende, em que se luta, que se corre e enfrenta o estiver na sua frente. A força estará no fim ou no processo que leva ao fim? Eu não sei e nunca soube. Mas eu continuo procurando mesmo assim. Algumas vezes até mesmo encontro. Esta nos olhos amarelos do velho no ponto de ônibus. No balão da criança de colo, ou no sorriso do bêbado. Eu vejo você lá. Mas quando isso acontece quase nunca me vê e isso me causa dor. Porque se não me viu, é porque ainda não era a hora. Eu deixo e então irá embora. Minha busca então continua, como se não tivesse parado. Minhas lutas e minhas forças estão a todo o momento prestes a se esgotar, mas se sentir que devo parar, eu continuo. Por qual razão continuar? A luta vale a pena ou estou apenas destinado ao fracasso? Eu não sei, talvez eu nunca nem saiba. Mas devo continuar tentando. Porque se eu cair, se eu desistir, se eu perder, de nada me adiantara ter sequer tentado um dia.

Igor Mota – Belo Urbano, um garoto nascido em 1995, aluno de Filosofia na Puc Campinas do segundo ano. Jovem de corpo, mas velho na alma, gasta grande parte de seu tempo mais lendo do que qualquer outra coisa. Do signo de Gêmeos e ascendente em Aquário, uma péssima combinação (se é que isso importa).

 

shutterstock_61288258

Agora

Eu encaro os fatos como se fosse tudo por acaso

Eu vou levando a vida como se eu não soubesse que ela acabará

E vou passando reto pelas linhas tortas de Deus, eu nunca vou chegar

Eu vou pegando atalhos que não só levam a nada como também tanto faz

Saber o que me espera por que eu também não conheço ninguém que esteve lá

Então também é vingança, um pouco de teatro e um pouco de esperança

De ver você voltar como consequência de tanta hipocrisia Então também é saudade, meio nunca mais Meio até um dia…

 

Eu

Fico cantando por horas como se eu não tivesse nada prá dizer Essa canção infinita, por que por mais que se diga, há sempre mais prá se esquecer Eu vou deixar a vida me viver como se eu não tivesse nada a ver com isso Mas não desisto de nada Porque eu também já não tenho Nada prá perder

 

Eu

Vou viajando por horas no teu sorriso perfeito até me embriagar No teu olhar infinito Porque por mais que eu descubra eu quero mais é procurar Eu vou deixar o beijo me levar como se eu só tivesse coração e boca A nossa vida é tão louca

A nossa roupa, pouca

E nada prá esperar

Agora.

12540724_1106108319421994_6148506354228361913_n (1) Foto Tico

Tico Vicente – Belo Urbano, diretor de filmes, ama gatos, leonino, se divide entre a mega metrópole São Paulo e sua chácara no interior. Festeiro, músico, vocalista da banda Ginger. Não se considera charmoso, mas sabemos que é sim 🙂

Link da canção INFINITA: 

https://www.reverbnation.com/play_now/26204595?utm_campaign=a_public_songs&utm_medium=facebook&utm_source=page_object_news_item

shutterstock_153201059

Gloss, RG, chicletes, um troco e você.

Gloss, batom, rímel, RG, chicletes, um troco e você.

Gloss, batom claro e escuro, rímel, RG, celular, documento do carro, óculos de sol, absorventes, chicletes, dinheiro e você.

Gloss, batom claro e escuro, rímel, protetor solar, RG, celular, documento do carro, óculos de sol, cartão do plano de saúde, cartão de crédito, chaves, chicletes, absorventes, agenda, dinheiro, moedas e você.

Gloss, batons de todas as cores, lápis delineador, rímel, protetor solar, RG, documentos gerais, óculos de sol e óculos de grau, celular, cartão do plano de saúde, cartões de créditos em vencimentos diferentes, pílula, absorventes, amostra de perfume, chicletes, dinheiro, moedas, agenda, lixa de unha, pinça e você.

Gloss, batons de todas as cores, lápis delineador, rímel, protetor solar, RG, documentos, óculos de sol e óculos de grau, celular, cartão do plano de saúde, cartões de créditos, pílula, absorventes, remédios para dores em geral, principalmente cólicas, lixa de unha, pinças, vitaminas, chicletes, chocolates, dinheiro, moedas, agenda e lenços umedecidos e você.

Gloss, batons de todas as cores, lápis delineador, rímel, protetor solar, RG, documentos, óculos de sol e óculos de grau, celular, cartão do plano de saúde, cartões de créditos, pílula, absorventes, remédios para dores em geral, lixa de unha, pinças, vitaminas, lenços umedecidos, água termal, chicletes, chocolates, perfume, dinheiro, moedas, agenda, bloco de notas, 13 canetas, elásticos de cabelo, piranhas, bijuterias, papeizinhos, amostra de perfume, talão de cheque, notas fiscais, agulha e linha, pendrive, poesia solta, desenhos dos filhos, pocket books, creme para as mãos e você.

A Bolsa da mulher é viva, orgânica e descontrolada. Conforme crescemos a bolsa também ganha”hormônios” e vai se transformando num pequeno monstrinho adorável que orbita no nosso eixo.

Pequena, média ou maxi, ela parece ser uma extensão de nós mesmas, como pequenos jabutis e caramujos e encontramos nela (quase) tudo que precisamos. “Mãe, me da uma caneta?” “Desceu pra mim…” “Tem o telefone daquele medico?” “Acho que deixei na outra bolsa…”

Verdade incontestável: Toda mulher adora uma bolsa nova.

Se um dia, você escapar da morte e desembocar numa ilha primitiva e deserta, não reze pelos aviões e sim para que venha boiando uma bolsa feminina na sua direção. Certeza que vai se der bem (pelo menos até os nativos não te acharem).

Todo esse texto é pra dizer que sim, a bolsa tem uma importância absoluta para nós que desde fase tenra vamos escolher a mochila do ano letivo, mas, bom mesmo é depois de adulta, largar toda a parafernália e sair sem lenço e sem documento.

Só você.

12312535_10153184041901440_1995393348_n Meg

Meg Lovato – Bela Urbana, formada em comunicação social, coreógrafa e mestra de sapateado americano e dança para musicais. Tem dois filhos lindos. É chocolatra e do signo de touro. Não acredita em horóscopo mas sempre da uma olhadela na previsão do tempo.

Desenho menina Synnove

Nada é tão simples

Nada é tão complicado também

 

Se for para escolher

Eu escolho você

De mente aberta

De braços abertos

De coração apertado

Um coração calejado

 

Palavras… Ah! Palavras

Tão doces ficaram amargas

Cuspidas com dedos em riste

Palavras de escárnio num dia triste

Jogadas no ar e na rede social

Tão julgadoras da moral

 

Palavras… Eu as quero doces novamente

A amizade de quem convive livremente

Sem ideologias e donas da verdade doente

 

Ambos queremos o mesmo e pronto

Não é  preciso provar o seu, o meu ponto

Disso, a história se encarrega

 

Eu… Eu escolho você

A política que vá se… danar

IMG_0514 (2)

Synnöve Dahlström Hilkner Bela Urbana, é artista visual, cartunista e ilustradora. Nasceu na Finlândia e mora no Brasil desde pequena. Formada em Comunicação Social/Publicidade e Propaganda pela PUCC. Desde 1992, atua nas áreas de marketing e comunicação, tendo trabalhado também como tradutora e professora de inglês. Participa de exposições individuais e coletivas, como artista e curadora, além de salões de humor, especialmente o Salão de Humor de Piracicaba, também faz ilustrações para livros. É do signo de Touro, no horóscopo chinês é do signo do Coelho e não acredita em horóscopo.