Como você vota? Eu digo: vota por impulso e influência alheia. Explico.

É notório que a maioria das pessoas vota não por estudar as opções que se apresentam a fundo, mas decidem por influência do que chamamos de opinião pública. A opinião pública é como óculos escuros: uma ideia geral que norteia nossa visão, pautando o que gostamos e o que não gostamos. 

Opinião pública é de fato um pré-conceito estabelecido através das informações que recebemos no dia a dia, seja da propaganda, entretenimento, noticiário e influenciadores, guiando nossa percepção de mundo. O poder da opinião pública, como massificação das preferências faz mover montanhas literalmente.

Mas quem a constrói? Os meios de comunicação. E há de se perceber muito fácil a partir de como algumas ideias parecem mais aceitáveis que outras, por mais que pareçam, a uma mínima reflexão, sem nexo. Exemplo: o Brasil é o país do samba. Todos temos essa impressão, mas sabemos que o Brasil tem diversos ritmos particularmente nossos e até mais ricos sonoramente que o samba. Porque ele nos representa? Alguém convencionou, outros repetiram e hoje, nos parece comum. Isso é opinião pública, simplificadamente.

Portanto, comunicadores de diversos meios e contextos tentam influenciar a opinião pública nesses tempos de eleição. Opinativos de jornal, publicidade, meios digitais, relatórios financeiros, noticiário, apresentadores, artistas e diversas vozes potentes da sociedade tentam dizer o que você deve pensar. E você, na maioria dos casos concorda cegamente, simplesmente porque a pessoa tem credibilidade. Você cai de gaiato no truque da opinião pública. Decidimos por impulso e influência alheia e isso não e democrático. 

É a ditadura de uma opinião pública que gera comportamento que não é controlado facilmente por nós, mas por meios de comunicação e propaganda. Quem controla esses agentes, seja por meio da publicidade, da influência política ou ideológica, detém o poder de decidir, de fato, quem estará no governo ou não. É na comunicação social, com sua voz uníssona e hipnotizante, o embate maior do poder em tempos de eleição. E isso não é democrático.

E se te contar que os proprietários da maioria desses meios de comunicação, que geram opinião pública são deputados, senadores e outros políticos ou pessoas fortemente ligada a eles? Até emissoras evangélicas, católicas, ditas “santas” tem deputados para defender sua concessão pública, fazendo conchavos estranhos e negociatas espúrias. Um fisiologismo sem fim, num poder pouco vigiado como o legislativo. Entende que há nesse caso um mecanismo nada democrático?

Então, o que é ser livre para uma escolha realmente democrática? É não ouvir nada e ninguém, pesquisar sobre tudo e decidir de forma racional e planejada, por uma condição mais favorável para todos. É quebrar criticamente a opinião pública forjada e imposta a nós e criar uma opinião independente e realista, sem influências alheias. É trilhar o caminho mais difícil sim, mas não compactuar com o efeito manada da comunicação nunca. 

Quem vota é você, e não quem você da ouvidos. Pense nisso.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Foto Crido: Gilguzzo/Ofotografico

Sou uma pessoa boa. Claro, eu sou. Afinal foi só isso que me disseram a minha vida inteira. Por isso eu luto pelo povo a cada dia. Mas não qualquer povo, mas o meu povo. O povo daqueles iguais a mim. O povo daqueles iguais a nós. Afinal sou uma pessoa boa e tudo o que eu faço não é bom por causa disso? Não me importa o que aqueles contra mim digam. Eu luto contra os homens maus! Luto contra esse bando de vagabundos que tomam a vida de gente do bem (como eu).

Sou uma pessoa boa. Eu luto pelo povo. Contra os fracos e oprimidos pelo sistema. Ajudo os pobres e já dei a muitos deles. Eu sou uma boa pessoa. Ajudo os meus. Hoje em dia, eles conseguem ser tão ou mais ricos do que eu. E dai se o dinheiro nosso não é “legítimo”? Sou um homem do povo!

Somos pessoas boas. Nós lutamos pelos nossos e protegemos os nossos! E danem-se aqueles que não são dos nossos! Danem-se os diferentes de nós! Vivem em nossa terra, comem da nossa comida, pegam nosso dinheiro! Nós somos as pessoas boas e não eles que nem de nossa companhia deveriam usufruir. Nós é que somos as pessoas boas.

Sou um homem bom. Sou uma boa mulher. Sou uma boa pessoa.

Eu sou aquele em quem colocaram em um local de confiança. Sou aquele no qual você acreditou. Sou o bem acima do mal, sou a esperança. Sou o não corrupto e o homem de bem. Sou o que salvou os pobres e junto deles a mim também. Sou o adversário e o diabo, jamais esquecei.

Sou o homofobico, preconceituoso, racista, machista e o outro ista que você odeia. Sou o ladrão condenado, o que tirou por anos que não era meu para mim e meus amigos. Somos o anjo e a luz no final do seu túnel.

Mas é engraçado. E não deixarei ninguém saber. Que sozinho, não consegui e nem conseguirei ir ao poder. Sou a salvação e a destruição de sonhos de uma nação. Não sou perfeito, embora muitos achem que serei, ou sou. Somos o mal tanto quanto aquele que fui, quanto aquele posso ser. Sou o seu destino e somos seu passado. Se você deixar, poderemos ser o seu futuro também.

Igor Mota – Belo Urbano, um garoto nascido em 1995, aluno de Filosofia na Puc Campinas do segundo ano. Jovem de corpo, mas velho na alma, gasta grande parte de seu tempo mais lendo do que qualquer outra coisa. Do signo de Gêmeos e ascendente em Aquário, uma péssima combinação (se é que isso importa).