No final do ano passado, antes do Natal, recebemos dois casais de amigos em casa. Naquela ocasião não me lembro de nenhuma notícia falando sobre o coronavírus.

Mal sabíamos que 3 meses depois, sentiríamos muita falta de momentos “simples” como esses. O assunto do momento era um tal vídeo do canal Porta dos Fundos, que tinha como enredo um Jesus Gay. Após o almoço, o tema do polêmico vídeo voltou à tona e alguém perguntou: vocês assistiram? Não? Então, vamos assistir. E assim o fizemos. Aqui cabe um parêntesis: não vou entrar no mérito se o vídeo é isso ou aquilo, se gostei ou não gostei ou se é certo ou errado. A reflexão que proponho aqui é outra. Qual o valor que damos às coisas que realmente importam?  Qual o grau de importância que damos à nossa família e as coisas mais simples, que não têm valor material? Mas o que tudo isso tem a ver com o tal vídeo de Jesus? Eu explico: ao terminar de assistir o vídeo e mediante a polêmica instalada naquele momento (que era grande), eu brinquei com um dos amigos e disse: “imagine só – Jesus lá de cima, vendo tudo isso e pensando – é serio que vocês estão se digladiando por causa de um vídeo que me retratam como gay?” Voltando à nossa reflexão: qual o grau de importância que Jesus, do alto de sua inteligência superior, daria para um fato desses? Por coerência, a resposta é muito simples: muito provavelmente não daria a menor importância, porque ele está muito acima de tudo isso. Mas e nós? Qual a importância que damos para aquilo que realmente tem valor: as coisas mais simples, como um abraço, um almoço entre amigos ou um passeio de bicicleta na chuva? E de repente, não mais que de repente, fomos obrigados a nos olhar uns para os outros. Mas olhar de verdade (olho no olho mesmo). Conviver de verdade. Se preocupar de verdade. E como uma criança que é colocada de castigo, fomos compulsoriamente convocados: terráqueos, parem e pensem no que vocês estão fazendo.

Ok, estamos todos pensando. Que possamos aprender a lição. Será?

Vinícius Eugenio – Belo Urbano48 anos, publicitário, redator, atua com criação há mais de 25 anos, mas sem dúvida, a sua melhor criação, feita em dupla com a Leila, foi a Valentina. Espirituoso, prático e pragmático, gosta tudo de preto no branco, até por isso, é corintiano razoavelmente apaixonado. Saudosista confesso, colecionador de objetos antigos e admirador nato de Fuscas antigos. 

Comentários

comments