Rindo em meio ao caos, dançando no olho do furacão, cantando a marcha fúnebre no hospital, não são metáforas, nem catarse, chamemos de realidade!

Pai em suas mãos entreguei meu espírito, porque me abandonaste, senhor? Uma oração? Uma indagação? Uma constatação!

Para onde levaram meus irmãos? Mortos, pobres, cegos ou não. A morte não escolhe, ela leva, mas é óbvio que a foice alcança primeiro quem tá mais perto do chão.

Pai perdoai pois ele não sabe o que faz ou sabe? Eu sei que ele sabe, nem disfarça, nos ignora, nos mata. Realmente acabou a mamata!

Falou o playboy postando no Facebook textinho reflexivo da madrugada! Fiz minha parte, agora não esquece de deixar seu like!

Lucas Alberti Amaral – Belo urbanonascido em 08/11/87. Publicitário, tem uma página onde espalha pensamentos materializados em textos curtos e tentativas de poesias  www.facebook.com/quaseinedito  (curte lá!). Não acredita em horóscopo, mas é de Escorpião, lua em Gêmeos com ascendente em Peixes e Netuno na casa 10. Por fim odeia falar de si mesmo na terceira pessoa. cas

Comentários

comments