Neste dia do professor, de 2019, minha homenagem vai para milhares de alunos que passaram pelos meus olhos e ficaram no meu coração. Agradecimentos a muitos que receberam, pouco ou muito de minha influência. Gratidão tanto aos que se lembram de mim como aos que nem sabem mais quem eu sou.

Afinal, tenho sempre em mente que ensinar é, muito mais, aprender. Como se sabe, em francês o verbo é o mesmo: “apprendre” (aprender e instruir, cf. Dicionário Michaelis).

Realmente, ao longo da vida fui entendendo que quanto mais ensinava, mas aprendia. Portanto, o professor é um aluno ao quadrado, capaz de potencializar o conhecimento.

Muito tenho a agradecer por tudo a todos meus alunos e alunas, sem exceção.

Vocês, talvez, não saibam; vou contar. Sempre senti na minha direção, nesse papel, um fluxo contínuo e vibrante de boas energias, fazendo-me muito bem à pele e ao coração. Isso injeta em mim sua juventude em doses colossais. É inexplicável com palavras, é algo entusiasmante, um sentimento sutil fornecedor de doses enormes de disposição e força para todos os momentos.

Isso, antecipadamente, já serve de resposta para muitas questões que me fazem pessoas que não entendem bem o que é ser professor por vocação.

Desde o início perguntavam: “- como é que você suporta as atitudes dos alunos, sua rebeldia, alguns petulantes ou prepotentes, como donos da verdade, outros desafiantes quanto ao seu poder e seu conhecimento?”

Ultimamente, as questões têm sido do tipo: – “como você aguenta ainda, depois de 35 anos de magistério, ter paciência para ‘enfrentá-los’ em sala de aula, em vez de ir pra piscina, tomando uma cervejinha, ir passear, morar numa praia ou viajar pelo mundo?”

“Por que você não deixa as preocupações da sala de aula e vai curtir os prazeres da vida?”

Para essas perguntas posso acrescentar sinceramente.

O que me dá imenso prazer, tanto quanto as sugestões prazerosas mencionadas, é conhecer pessoas novas a cada ano. Lembrando que, a cada período, mais de 100 alunos entram para seguir os mesmos passos que nós percorremos ao longo de tantos anos.

Com outras perguntas, retorno às questões do amigo preocupado, julgando infelicidade e chateação do mestre em sua jornada.

– O que dá mais prazer a alguém do que conhecer e conviver, ao longo de tantos anos, com pessoas alegres, curiosas, animadas, cheias de sonhos, mas também de angústias?

– O que pode dar mais satisfação do que acompanhar as gerações que se sucedem diante dos olhos e poder acompanhar tão de perto o amadurecimento da moçada que chega com 18 anos e após oito semestres segue seu caminho?

– O que pode dar mais alegria do que sentir que você é importante na condução de pessoas em sua vida e em suas carreiras num mundo cheio de incertezas?

Posso garantir, são centenas de vantagens a serem expostas aqui, mas não quero falar demais.

Em minha bagagem de vida, tenho milhares de histórias pra contar sobre a experiência maravilhosa de minha carreira.

Sempre me empolguei pensando em ensinar, desde o primeiro quadrinho negro com giz que ganhei de presente, um dia lá com meus 7 aninhos, já sabendo escrever, e querendo brincar de professora, em que eu assumia sempre o papel de mestra, colocando os amiguinhos sentados pra aprender o que eu achava que devia ensinar a eles.

Se pudesse renascer, sem dúvida nenhuma, escolheria seguir a mesma profissão, tendo pensado, na fase da minha juventude, que não aceitaria ensinar nada a ninguém. Entretanto, tendo passado por outros tipos de trabalho e amadurecimento, tudo acabou me reconduzindo à minha vocação primeira.

Quem não está neste barco do ensino por vocação e amor, não pode ter ideia de quanto é incrível ver o resultado de seu trabalho. Não apenas ao longo e ao final dos quatro anos, período que passa, a meu ver, num piscar de olhos.

Mais interessante, ainda, é poder acompanhar de perto, ou mesmo de longe, os resultados de muitos que mantêm contato virtual, graças à internet, além de algumas amizades presenciais sinceras e despretensiosas.

Ninguém pode imaginar como tudo isso é gostoso, uma felicidade difícil de explicar. Sem contar, visitas a agências de publicidade ou participação de eventos da área, encontrando centenas de ex-alunos, ocupando inúmeros postos de trabalho do setor ligados ao marketing ou à comunicação.

Só pra citar um exemplo, recebi de um aluno um livro indicado no tempo da faculdade (1995), ele hoje um diretor de uma agência do interior de São Paulo com a seguinte mensagem:

-“Este é o meu exemplar do ‘Relatório Popcorn’ – adquirido ainda quando seu aluno – e que vem sendo utilizado como a primeira leitura recomendada para todos que chegam à ‘Full Hand’, desde o nosso primeiro dia de atividade. Gostaria que ficasse com você, em sinal de gratidão à sua paciência, dedicação e estímulo. Denis. (obs. Temos outros aqui)”.

Aos Denis e a todos os Andrés e Andréias, Adrianos e Adrianas, Carlos e Carlas, Caios, Lucas, Danilos, Danielas, Fernandos, Gustavos, Rodrigos, Marcos, Enios, Enzos, Marias, Joões, Pedros, Paulos e Paulas, Rebecas, Manuelas, Fábios, Fabianos e Fabianas, Giovannis e Giovanas, Julianos e Julianas, Carolinas, Tiagos, Vitors e Vitórias… e centenas de nomes, repetidos, ou inusitados (como o meu) gostaria de falar. Queria dizer, pessoalmente, com muitos abraços e beijos, quanta gratidão eu sinto por tudo de maravilhoso que me fizeram sentir durante tantos anos dessa minha vida, realizando meu sonho infantil de instruir e ajudar pessoas a encontrarem seus caminhos.

Vejo o tempo passar por meio deles, em revezamento a cada quatro anos, como belas nuvens passando no céu azul, jovens, belos e cheios de sonhos.

Pra concluir, devo agradecer a Deus, pela emoção das recordações de tanta gente. Quanta responsabilidade ter a incumbência de instruir e falar com tantas personalidades e, agora, poder declarar meu grande amor por todos ou meus, eternamente, alunos e alunas do coração.

Desculpem, se, o que afirmo a seguir, possa parecer politicamente incorreto, deixo de lado esses melindres, viver é se apaixonar, é fazer por paixão o que o universo nos designou como missão. Mas me apaixono pelo que faço e, muito, pelos meus alunos e alunas, não posso deixar de dizer isso e, também, que acho difícil esquecê-los.

Reencontrar ex-alunos, por aí, é muito bom, é como retornar no tempo e sentir de novo e acrescentar novas emoções, uma nova parte da nossa história. Sem exceção, todos se tornam nossos filhos, “nossas crias”, como dizem outros professores felizes nesta profissão.

Precisa mais pra justificar a alegria imensa que é ser professor?

Flailda Brito Garboggini – Bela Urbana, Pós graduada em marketing, Doutora em comunicação e semiótica. Dois filhos e quatro netos. Formada em piano clássico. Hobbies música, cinema, fotografia e vídeo. Nascida em São Paulo. 4 anos como aluna, 35 anos como professora de Publicidade na PUC Campinas. É aquariana (ao pé da letra).

Comentários

comments