É à noite que as horas se prolongam
E se esticam que nem garça para fazer caber os silêncios.
Nas noites insones adormeço meus vazios
E acomodo as minhas imensidões.
À noite, quando tempo não passa,
É que passeiam os receios,
As incertezas, devaneios,
O turbilhão de nós mesmos.
E enquanto tudo adormece,
O sono desobedece,
E os medos ensaiam danças.
Mas é também à noite, quando o dormir não chega,
Que sonhos brincam de esconde-esconde,
Que o escuro e a quietude fazem tranças.
Há uma beleza incerta no sono que foge,
Há uma calma escondida na pressa do sono em fuga.
O silêncio noturno que acorda os tormentos
É o mesmo que desperta lindas saudades
E flores de pensamentos.
É que noite acordada tem cheiro de lua,
E segredos de vaga-lume.
Esperar pela manhã é quase é um exercício de poesia.
Ah, não devemos temer as noites.
Não, não devemos temê-las.
Nas noites moram as insônias
mas também moram as estrelas…

Alda Nilma de Miranda – Bela Urbana, publicitária, autora da coleção infantil “Tem planta que virou bicho!” e mais 03 livros saindo do forno. Gosta de tudo que envolve tinta e papel: ler, desenhar e escrever, mas o que gosta mesmo é de inventar motivos para reunir gente querida. Afinal, tem coisa melhor que usar o tempo para estar com os amigos?

(poesia premiada – Prêmio Literário Acrisio de Camargo 2017- 2o lugar-categoria poesia)

Comentários

comments