E ele chegou em minha casa e… Apertou a campainha e… Disse que estava com sede. (Aprendemos a não negar “pão e água”…). Então conhecendo-o abri o portão… e ele entrou.

Amigo da família… Seguiu-me sem precaução alguma. Até que entramos pela sala… Fechei a porta… Era amigo da família!

Fomos até a cozinha… O servi, e ficamos conversando… Notei a conversa mole! Mas, desgastada com a recente viuvez eu nem percebi, o olhar de cio, e de prazer ao manusear o copo, de água… Havia dito que estava com sede!

E, pasmei ao dirigi-lo para a sala. Estávamos conversando sobre o falecido marido, amigo íntimo dele. Quando abri a porta de saída? Ele me enlaçou pelas costas… EEEEEE… Eu?

Gastei meu vocabulário sobre todas as razões que tinha aberto o portão, para saciar a sede de um seleto amigo? Nem sempre é assim, e disso sei bem.

Raivosa fui indo direto para o portão… Ah! Abri-me com todos que pude, dado a fragilidade em que me encontrava. Até hoje, quando nos encontramos, vê-se a vergonha em seus olhos, e posso adiantar que quem ficou com vergonha, até de passar em minha porta foi ele, o assediador casado, que usou anos atrás a sede, para beber algo de difícil degustar.

Eu Joana.

Joana D’arc de Paula – Bela Urbana, educadora infantil aposentada depois de 42 anos seguidos em uma mesma escola, não consegue aposenta-se da do calor e a da textura do observar a natureza arredor. Neste vai e vem de melodias entre pautas e simetrias, seu único interesse é tocar com seus toques grafitados pela emoção.

Comentários

comments