Ainda considerado como um produto de luxo, e não um complemento à alimentação como em vários países europeus, assistimos um aumento gradual do consumo de vinho em nosso país, principalmente entre as classes média e alta. O brasileiro incorporou o vinho em seus programas e entender de vinho passou então a ser uma obrigação.

Chique é provar o vinho seguindo o ritual de agitá-lo, dar uma paradinha, olhar com carinho, sentir o buquet para então finalmente experimentá-lo. Após um silêncio de alguns segundos para reflexão,  momento de expectativa para os garçons,  faz-se então uma cara de quem entende do assunto e comenta-se algo, geralmente evasivo. Com um sorriso aliviado, o vinho é então servido pelo garçom.

Eu adoro este ritual mas assistir pode ser engraçado pois alguns sabem bem o que estão fazendo, outros, simplesmente seguem o fluxo!

O que está por trás deste produto tão sedutor?

Vejo o vinho como uma combinação de três indicadores:

  • Propriedades básicas do vinho: como tipo de uva, assemblagem, região produtora, teor alcoólico, modo de engarrafamento, safra, etc…
  • Fatores externos: como armazenagem, agitação, temperatura de consumo, pratos que acompanham, etc….
  • Consumidor: que tem gostos específicos, memórias gastronômicas e ligações emocionais.

Enfim, a experiência de cada garrafa depende da combinação destes indicadores, suportando o clichê “cada garrafa traz uma experiência única”, e pode ser apreciada usando os cinco sentidos, as vezes o sexto também!

E qual é o vinho perfeito? Para mim o terceiro indicador fala bem alto.

Aqui na Europa a oferta de vinhos é indescritível, além dos custos serem muito menores que no Brasil, podemos escolher vinhos maravilhosos em supermercados, vendinhas e até em lojas especializadas, encontrando ofertas de sei lá quantos países diferentes. Mas, confesso que já me vi pagando caro por um determinado Malbec Argentino… o mesmo que escolhi há 12 anos para ser servido no aniversário do meu pai. E esse vinho foi um néctar para mim, com ele revivi experiências deliciosas.

Para vinho, não existe regra, não existe certo ou errado. É gosto, é experiência, é interesse, é curiosidade, é atenção.

Eu adoro vinho, bebo diariamente. Nada boba, me adaptei fácil e rápido a este delicioso costume europeu! Consigo sentir minhas preferencias e fazer conexões entre minhas experiências. Diferencio e descarto os vinhos banais. Sinto quando um vinho não “está” bom, o que é diferente de quando ele não “é” bom.

O conhecimento veio com o tempo, com a curiosidade, com a exploração de muitas garrafas. Mas veio também o respeito: não me meto a abrir garrafas muito mais caras que meu conhecimento. Acho um desperdiço, um desrespeito!

É um pouco como arte, gosto de Picasso e evito Dalí. Os dois são bons, têm seus méritos mas não agradam a todos. Ainda bem!

TECA

TECA HUNGRIA
Viajante desde os 13 anos de idade, adora descobrir e experimentar tudo que é novo. 
Cansada da vida de executiva, pediu demissão e foi para Suíça, onde enraizou e ficou.
É apaixonada por gastronomia, vinhos e design de interiores.
Mora com um Suíço alemão que, mesmo sem querer, ensina todos os dias algo novo para ela.
 

Related posts:

Comentários

comments